quarta-feira, 12 de outubro de 2016

* Reunião de pais na escola

25 de agosto de 2016

Hoje teve reunião de pais na escola do Vitor. Junto comigo, tinha um bocado de pais aguardando a reunião. Pontualmente, naquela classe de integração de terceiro ano, a professora dá início à reunião coletiva entregando para cada responsável presente um envelope com algumas atividades que os alunos foram desenvolvendo ao longo do bimestre. Do lado de fora do envelope tinha um texto lindo copiado p
elos alunos e um desenho bem colorido. Recebo o envelope do meu filho e ao meu lado vejo uma mãe com o envelope do seu filho nas mãos reclamando pro garoto da letra sem capricho com que ele tinha escrito o texto e do desenho que segundo a mãe, poderia ter ficado melhor. Percebo que a tal letra do tal garoto ao lado é claramente beeeeemmmm mais bonita e legível que a do meu filho e o desenho então, seria até injusto comparar. Mesmo assim, seguro aquele envelope como quem segura um troféu, desejando que meu filho estivesse ali comigo para agarrar ele e disparar uma série de elogios porque a letra podia até não ser bela e o desenho confuso, mas eu sei o que caminhamos para que ele chegasse naquele nível. Sim! O meu filho não tem a melhor letra, não pinta como um artista, não é o melhor aluno da escola, não é o que termina primeiro, não é o que não tem dificuldades (pelo contrário), não é o mais quietinho (nem o mais terrível). Tudo isso se passando pela minha cabeça e eu ainda nem tinha aberto o envelope. Fui abrindo devagar (pra não amassar) e me deliciando com aquele bocado de tarefa onde claramente eu via os avanços dele. Muitas foram feitas com intervenção da professora e outras ele fez sozinho, do jeito dele, com a tal letra feia e os desenhos quase abstratos. Me orgulhei de cada uma daquelas folhas. fiquei esperando a minha vez de conversar com a professora, e quando chegou a minha vez, ela docemente foi me contando os avanços do meu filho, falando dos progressos e do que ele ainda precisava progredir. Sim! Tenho um filho que precisa progredir e isso é maravilhoso! Meu filho não é perfeito, ô Glória! Independente da sua condição de autista, ele é um ESTUDANTE,assim como os outros. Cheio de limitações e de talentos assim como qualquer criança. Hoje eu resolvi compartilhar isso, ando meio cansada de tanta super-mãe criando super-filhos. Por aqui, temos uma mãe e um filho em construção e tenho um orgulho danado das nossas imperfeições.


* 28 de julho - Dia dos irmãos.

28 de julho de 2016


Eu poderia ficar olhando pra essa foto por horas, admirando o carinho espontâneo, o querer bem e a cumplicidade desses dois e continuaria tendo a certeza plena de que nada melhor poderia ter acontecido na minha vida.



Lembro das inúmeras conversas que tive com o Rafael (meu filho mais velho), sobre a paciência que ele precisava ter com o seu irmão. 
Ele é apenas quatro anos mais velho que o Vitor e desde pequeno, precisou aprender a entender os "tempos" do irmão. Claro que nesse processo tiveram desentendimentos, porradas, choros e confusões (afinal, estamos falando de irmãos).
Sempre respeitei a individualidade de cada um, afinal, eles são tão diferentes, gostam de coisas muito diferentes. Mas fiz com que fossem unidos, ficassem juntos, conversassem, 
Teve vezes que o Rafael me disse que queria ter um irmão que brincasse com ele direito e ouvir isso me partia o coração. Então, eu conversava e apresentava pra ele um monte de qualidades que o irmão dele tinha e ele foi aprendendo a brincar com esse irmão autista. Brincavamos juntos, sentados no chão. Rafael foi vendo o irmão dele se desenvolver, descobriu que o Vitor era ótimo em algumas brincadeiras e que precisava de ajuda em outras. Fui vendo meu filho mais velho tomar gosto por ensinar. ele gostava de ver o irmão fazer as coisas que ele fazia. Rafael ensinou o Vitor a jogar video-game, colecionar figurinhas, brincar de bola e gostar de futebol. Atualmente, eles se divertem caçando Pokemons. 
Rafael cuidou com tanto carinho desse irmão que sem perceber, ensinou o Vitinho a cuidar dele também. Se amam, se cuidam e se respeitam. 

* Festa julina da escola

Essa é a terceira festa julina do Vitor nessa escola, será a última pois no próximo ano ele irá para o quarto ano e terá que mudar de escola. Ao todo, desde que começou na escolinha, essa é a sexta festa julina de escola que participa e olhando pra trás vejo admirada e feliz os grandes progressos que ele teve. Lembro que na primeira vez, quando ele estava no maternal, não fomos. Naquela época era praticamente impossível levar o Vitor em uma festa, ele não tolerava o tumulto, as cores, os sons. Ficava nervoso, chorava, me agredia e se agredia. Valeu a pena ir tentando. Valeu a pena as tantas vezes que fomos para festas e tivemos que ir embora antes de entrar. Valeu a pena cada adaptação (como a da touca que eu mostro na postagem abaixo). Valeu a pena ir apresentando músicas e videos em casa, buscando mostrar pra ele que festas eram legais. Agora, com nove anos ele é pura alegria. Curte muito a festa, os amigos, as fotos, as comidas, as brincadeiras. Foi tudo muito devagar, com muito carinho, muita dedicação. Valeu a pena...

* Adaptações para curtir as festas julinas.


02 de julho de 2016


Vitinho e a Touca super, ultra,master, power protetora contra fogos de artifícios. E assim a gente vai se divertindo nas festas julinas. Entendedores entenderão #ficaadica


* Vitor completa 9 anos.

30 de junho de 2016


A exatamente 9 anos atrás, num sábado frio de junho aqui em Brasília, nascia um pequeno e lindo gigante com 4.900 kg e 53 cm( isso mesmo!), daquele momento em diante a nossa família estaria completa. O irmãozinho tão esperado do Rafael. O caçulinha do papai e da mamãe. Meu filho Vitor, vitorioso desde sempre! Me faltam palavras para expressar todo amor que eu tenho por você
Então nesse dia especial eu clamo ao Bom Deus que te proteja e que me fortaleça para que eu esteja sempre no lugar que eu mais amo estar: AO SEU LADO. Feliz aniversário amor meu!

* Eu me orgulho de você!


08 de junho de 2016


Eu me orgulho de você! Sim! Me orgulho de ser sua mãe. Uma mãe deficiente para um filho perfeito. Tenho orgulho da pessoa que me tornei desde que eu larguei o mundo pra segurar a sua mão. Me orgulho das coisas que você me ensina, de te ter como um professor, aliás, o melhor dos professores. Me orgulho por você me dar esperança para lutar quando a vontade é de me trancar e chorar. Me orgulho de te assumir do jeito que és sem jamais me acomodar e encontrar no seu olhar que insiste em não me olhar a força que eu preciso para lutar dioturnamente para que você seja feliz. Me orgulho por você me amar e me orgulho porque eu sei que você sabe que pode contar comigo.

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

* A vitória é a gente que faz.

22 de maio de 2016


 Dia de participar do Festival de natação. Vitor adora esse tipo de evento. Ele gosta de estar com as outras crianças e fazer aquilo que os outros fazem. Dessa vez eu não pude ir, estava trabalhando. Ele foi com o papai e com o seu irmão. Participou com alegria da competição e quando eu cheguei em casa ele veio todo orgulhoso me contar que chegou em quarto lugar. Eu o abracei e fiz a maior festa. Depois perguntei quantos nadadores participaram da prova com ele e ele todo feliz me disse: - Era eu e mais três. É isso mesmo filho! Chegar foi uma grande vitória. Ser feliz é a maior de todas as vitórias e você é um grande vitorioso.



terça-feira, 27 de setembro de 2016

* O Bambu chinês


"Depois de plantada a semente do bambu chinês, não se vê nada por aproximadamente 5 anos - exceto um diminuto broto. Todo o crescimento é subterrâneo; uma complexa estrutura de raiz, que se estende vertical e horizontalmente pela terra, está sendo construída. Então, ao final do 5º ano, o bambu chinês cresce até atingir a altura de 25 metros.

Muitas coisas na vida pessoal e profissional são iguais ao bambu chinês. Você trabalha, investe tempo, esforço, faz tudo o que pode para nutrir seu crescimento e, às vezes, não vê nada por semanas, meses ou anos. Mas, se tiver paciência para continuar trabalhando, persistindo e nutrindo, o seu 5º ano chegará; com ele virão mudanças que você jamais esperava.

Lembre-se que é preciso muita ousadia para chegar às alturas e, ao mesmo tempo, muita profundidade para agarrar-se ao chão." Autor desconhecido

domingo, 25 de setembro de 2016

* Autistando...

  

Quando me recuso a ter um autista em minha classe, em minha escola, alegando não estar preparado para isso, estou sendo resistente a mudança de rotina. Quando digo a meu aluno que responda a minha pergunta como quero e no tempo que determino, estou sendo agressivo. Quando espero que outra pessoa de minha equipe de trabalho faça uma tarefa que pode ser feito por mim, estou usando-a como ferramenta.
Quando numa conversa, me desligo "viajo", estou olhando em foco desviante, estou tendo audição seletiva.
Quando preciso desenvolver qualquer atividade da qual não sei exatamente o que esperam ou como fazer, 
posso me mostrar inquieto, ansioso e até hiperativo. Quanto fico sacudindo meu pé, enrolando meu cabelo como o dedo, mordendo a caneta ou coisa parecida, estou tendo movimentos estereotipados. Quando me recuso a participar de eventos, a dividir minhas experiências, a compartilhar conhecimentos, estou tendo atitudes isoladas e distantes. Quando nos momentos de raiva e frustração, soco o travesseiro, jogo objetos na parede ou quebro meus bibelôs, estou sendo agressivo e destrutivo. Quando atravesso a rua fora da faixa de pedestres, me excedo em comidas e bebidas, corro atrás de ladrões, estou demonstrando não ter medo de perigos reais. Quando evito abraçar conhecidos, apertar a mão de desconhecidos, acariciar pessoas queridas, estou tendo comportamento indiferente. Quando dirijo com os vidros fechados e canto alto, exibo meus tiques nervosos, rio ao ver alguém cair, estou tendo risos e movimentos não apropriados. Somos todos autistas.
Uns mais, outros menos.
O que difere é que em uns (os não rotulados), sobram malícia, jogo de cintura, hipocrisias e em outros (os rotulados) sobram autenticidade, ingenuidade e vontade de permanecer assim.

                                                       Scheilla Abbud Vieira

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

* Quem não sonha o azul do vôo, perde o poder de pássaro...

"Quem não sonha o azul do vôo, perde o poder de pássaro. É sonhar, mas cavalgando o sonho e inventando o chão para o sonho florescer."
Thiago de Mello

* 2 DE ABRIL- DIA MUNDIAL DE CONSCIENTIZAÇÃO DO AUTISMO.

Conscientizar sobre o autismo ao meu ver não quer dizer que eu tenha que enaltecer essa condição apenas porque meu filho é Autista. Quero sim que o mundo conheça mais sobre esse espectro, para que o meu filho e tantos milhares de autistas possam ser respeitados como cidadãos. Não sou mais abençoada que outras mães e meu filho mesmo sendo lindo, não é um "anjo azul". O autismo não foi uma escolha para a minha vida. Mas lutar para que meu filho encontre abertas todas as portas que o autismo quis fechar, isso sim, foi a minha opção, e é por isso que eu vou lutar. Sempre!

* Caçada aos ovos de páscoa.

Eu e o Vitor participamos da Caça aos ovos de Páscoa no Terraço Shopping. Pense no tamanho da alegria e empolgação. Assim como sempre, eu e meu menino juntos, correndo atrás da vitória. Foi muito legal!!!

* Nosso jeito de ser feliz, muito feliz

27 DE FEVEREIRO DE 2016. Quanta aprendizagem acontece quando um garotinho resolve inventar um parque de diversões com blocos de encaixe! E assim, sentados no chão, juntando peça por peça a gente vai sendo feliz (muito feliz!)

* Planejamento e organização SEMPRE!!!

20 DE FEVEREIRO. Ano letivo próximo de começar. Nova turma, nova professora e  o desafio agora será vencer o conteúdo programático do terceiro ano. Sei que será preciso muito planejamento, muita paciência e muita energia mas consigo ver que a origem de todo o trabalho deve ser a organização e a rotina. É dessa forma que o Vitor aprende melhor, com rotina estruturada e ordem. Ele precisa disso e é assim que seguiremos.


* 18 de fevereiro - Dia Internacional da Síndrome de Asperger


* A primeira patinada no gelo a gente nunca esquece.

video

Dia 2 de fevereiro e a gente continua de férias, por isso vamos ao Shopping atrás de novos estímulos e aproveitar pra dar uma "trabalhada no social".
Chegando lá, vejo que tem uma pista enorme de patinação no gelo e como eu nunca patinei ( minha mãe dizia que era muito caro, e era mesmo!), nunca dei muita atenção. Aí vem o Vitor e diz que quer patinar no gelo. Acho que fiquei mais gelada que a pista, maaaaasssss, se o objetivo era testar novos estímulos, então vamos em frente. Conversei com a gerente que muito solícita, colocou um monitor exclusivo para o Vitor e dai em diante foi só farra. Caiu, levantou, se esforçou e principalmente se divertiu muito.

* Dias de paz e alegria em Maceió


Dia 15 de janeiro e a família Silva retorna para Maceió. Amamos aquela terra! A primeira vez que viajamos pra lá o Vitor estava com 5 anos e foi quando ele conheceu o mar. Que sorte a dele, conhecer o mar de Maceió é algo maravilhoso. Um azul maravilhoso e ondas calmas em todas as praias. Perfeito para um garotinho autista e sua mãe apavorada. Essa é a nossa terceira viagem de férias para esse paraíso e sei que serão dias de paz e alegria para fortalecer nossas energias pois esse ano sei que a correria será frenética.

* O bom dinossauro

Continuando com os trabalhos, curtindo as férias e colocando o Vitor pra aprender a ficar comportado no cinema. Dessa vez foi perfeito. Filme lindo e a garantia de 1h 20 minutos de Vitor sentado, calado e curtindo muito.
Que filme lindo! Sem malícia e de fácil entendimento. Eu amei e o Vitor amou também. Ótimo programinha de férias.

* Alvin e os esquilos 3


Dia 2 de janeiro, ano novinho em folha e a gente vai ao cinema curtir nossas férias. Vitor não gosta muito de cinema, mas adora a companhia do irmão, ama sair pra passear e é louco por pipoca com refrigerante. Assim eu vou fazendo ele se interessar por assistir filmes. Tem dado certo.

* Recomeços

Tem um bocado de tempo que eu não escrevo nada por aqui. É que a correria do dia a dia me deixaram mais cansada e sem tempo e comecei a deixar o blog de lado. Mas toda vez que acontece algo marcante com o Vitor ( ou seja, sempre!) eu fico pensando que deveria arranjar um tempo e postar tudo aqui. Lembro que quando comecei a fazer esse blog tudo o que eu queria era registrar a caminhada do meu filho para que eu jamais me esquecesse os caminhos que percorremos juntos e um dia, lá na frente eu veria meu menino lendo essas histórias. Bom, resolvi correr atrás das postagens perdidas, muita coisa vai ter que ficar de fora mas outras coisinhas eu registrei no Facebook e vou tentar colocar aqui. Daqui pra frente vou tentar cuidar direitinho desse espaço.

domingo, 20 de março de 2016

* Mensagens sobre autismo e inclusão

Quando criei esse blog meu objetivo era escrever as conquistas do Vitor. Ficava pensando nele crescidinho lendo tanta coisa que passamos até chegar onde chegamos (chegaremos). Com o tempo a correria foi aumentando na mesma proporção que os progressos. Agora, esse garotinho, vitorioso desde sempre, está com quase 9 anos. Estuda numa escola inclusiva em classe regular. Faz acompanhamento psicopedagógico, natação, judô. Sobra tempo pra brincar com seus carrinhos e com o tablet que ele adora.
Com o tempo muitas portas fecharam, outras abriram. Pessoas que eram próximas foram se afastando e encontramos apoio em pessoas até então desconhecidas. Alguns outros, como anjos ficaram sempre por perto, nos amparando. 
Como eu não encontrava tempo de me dedicar ao blog como no início, fiz uma página no Facebook( www.facebook.com/teacolho ) onde compartilho mensagens que eu faço, outras que acho interessante e também mensagens e links de artigos que considero relevantes para quem quer conhecer o autismo ou para quem assim como eu está desvendando esse admirável mundo.
Segue algumas mensagens feitas por mim. querendo ver mais, entrem na página do Facebook. Fiquem à vontade para compartilhar. Precisamos conhecer e divulgar o Autismo.